Acupuntura para crianças

AandFmidway

Quando falamos em acupuntura lembramos sempre das agulhas! E quando pensamos em crianças, sabemos que elas não se dão muito bem com as agulhinas… Mas, é sim possivel fazer acupuntura nos pequenos. Como eu já disse em outras matérias, as agulhas não são o único meio de estimular os pontos de acupuntura, podemos faze-la com laser, sementes, esferas, stiper, pressão com os dedos, massagens, enfim, nunca usaríamos as mesmas agulhas que usamos em adultos nas crianças, as agulhas são menores e colocadas apenas nas crianças maiores de 6 anos e que consigam permanecer por cerca de 10 minutos bem quietas, que é o tempo de estimulação das agulhas.

A acupuntura pediátrica pode ser usada para tratar vários distúrbios, mas os mais comuns são as cólicas, os distúrbios do sono, a agitação (hiperatividade), as dores musculares, diarreia ou constipação (prisão de ventre), a falta de apetite, a enurese noturna (urinar na cama após 5 anos), alergias respiratórias, os resfriados, rinites, quadros de asma, entre outros. A acupuntura é indicada também para estimular áreas do cérebro relacionadas ao aprendizado escolar como memória e raciocínio lógico.

acupuncture_boy

Os pontos estimulados liberam neurotransmissores que reforçam a secreção de substancias que tem efeitos analgésico, antiinflamatórios e de imunização.

Os resultados nas crianças aparecem mais rápido, principalmente se os pais não mostrarem apreensão aos filhos quando o tratamento estiver sendo realizado. Assim os pequenos se sentem mais confiantes ao tratamento.

Os pais sempre querem o melhor para seus filhos, não é mesmo? Então, quanto menos medicamentos melhor! Se seu filho, sobrinho ou netinho apresenta algum dos disturbios tratados pela acupuntura, nao deixe de cuidar!!!

pediatric_acupuncture_35610_1_1_1720

Por Rafaela Moura Santos

Anúncios

Acupuntura em recém-nascidos

0,,60125224,00

Em uma noticia publicada no jornal Folha de Sao Paulo, para aliviar cólicas e até refluxo em recém-nascidos os pais podem buscar métodos alternativos, como a acupuntura. Não importa se o bebê tem dias de vida pois as sessões são feitas com o recém-nascido dormindo ou no momento que é amamentado pela mãe.

“Na maior parte das vezes, a aplicação é realizada sem que o bebê sequer perceba o que está acontecendo”, explica a psicóloga e acupunturista Erica de Paula, 28. Ela diz que a acupuntura nas crianças pode ser muito útil para minimizar outros desconfortos, prevenir doenças e “equilibrar desarmonias”.

Ela explica que a técnica e a duração da sessão varia conforme a idade da criança.  “Os pontos são estimulados um de casa vez, durante pouco tempo. Já nos adultos o paciente fica, em média, 25 minutos com as agulhas. As agulhas nas crianças são retiradas tão logo a criança mostre algum sinal de desconforto”, explica. A agulha utilizada nas crianças, diz Erica, é da espessura de um fio de cabelo e tem um menor comprimento também. “A aplicação é praticamente indolor e feita com muito cuidado e paciência”.

A produtora Priscilla Debatista Pereira Brito Produtora, 34, fez acupuntura antes de engravidar, durante a gestação e faz na filha Alice, 4 meses, desde que a menina tinha poucos dias de vida. A mãe conta que ajuda bastante no alívio de cólicas, prisão de ventre e também no congestionamento nasal. Segundo ela, é feita apenas uma sessão por semana e são deixados uns pontinhos na orelha que são sempre estimulados. “Busquei uma forma de cura ou de alívio sem precisar de nenhum medicamento”, comenta. Ela brinca que vai continuar com as sessões até a filha ‘cansar’. “Não penso em um prazo específico, mas acredito que com o tempo vamos diminuindo a frequência por uma questão de não ser mais necessário mesmo. Mas, no dia que precisar farei o uso de acupuntura novamente”, comenta. Durante a gravidez, ela diz que a acupuntura também a ajudou a aliviar os enjôos e dores nas costas.

A quantidade de sessões depende do objetivo do tratamento, podendo ser uma sessão avulsa (para resolver uma crise aguda), um plano de cinco ou 10 sessões, e até mesmo uma manutenção semanal ou quinzenal para problemas mais crônicos.

A acupuntura pediátrica também é muito utilizada em crianças um pouco maiores e ajuda em questões como dificuldades relacionadas ao sono, problemas respiratórios, alergias, falta de apetite, dificuldades de aprendizagem, problemas motores, quadros inflamatórios ou infecciosos. “É importante lembrar que a acupuntura é um tratamento eficaz e sem efeitos colaterais, mas que não substitui o tratamento médico, que muitas vezes também é necessário”, orienta.

Segundo Erica, em crianças maiores (entre seis messe e 2 anos, por exemplo) é mais difícil a aplicação pois nesta faixa etária eles ficam menos parados e, em muitos casos, tem medo de agulhas por conta das vacinas, por exemplo.

“Nesse caso, podem ser utilizados outros recursos como laser ou esferinhas de estimulação – as famosas “sementinhas”, que atualmente já se encontram em versão ouro, prata e cristal”, comenta. Ela diz que o laser e as esferinhas podem ser aplicados ao longo do corpo ou apenas na orelha (auriculoacupuntura). Já nas crianças acima de 2 anos, a aplicação ocorre de maneira mais natural pois já é possível explicar o tratamento de forma lúdica e realizar a aplicação com o total consentimento deles.

Erica diz que a maioria das mães que levam seus bebês para fazer acupuntura são mulheres que fizeram a acupuntura durante a gestação. “Elas recorreram ao mesmo método com os filhos porque já conheceram a efetividade do tratamento e ausência de efeitos colaterais”, comenta. A acupunturista aconselha sempre procurar um profissional habilitado e buscar referências sobre ele com outros pacientes.

Fonte: Folha de S.Paulo – http://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/22856-bebes-fazem-acupuntura#foto-362962